– o Blogue é uma rede de ideias sobre Agricultura Irrigada-

– O nosso negócio é conhecimento inovador –

Abstract

What I`m proposing is a society of excellent farmers and families in association with friends of them – investors in capital, experience and knowledge – in order to achieve better world food security by adopting modern Irrigated Agriculture technologies using top precise engineering technics to develop agriculture in the Tropical Region of our planet. Elmar Wagner, January 2021.

Notas iniciais de esclarecimento

  1. No nosso Grupo o Blogue Agricultura Irrigada (de precisão) e o Fórum Mundial de Agricultura Tropical são os componentes que reúnem ideias e proposições para o desenvolvimento da Agricultura na Região Tropical do Planeta. A ABADES – Agência Brasil-África para o Desenvolvimento Econômico e Social e o Consórcio BRAF são os componentes executores, respectivamente, do planejamento estratégico e de projetos/ações/atividades de produção, e o StartACT/SCP é o empreendimento que promove e fortalece o agronegócio sob a forma de uma Sociedade em Conta de Participação (SCP).
  2. A Governança Corporativa busca alinhar a mentalidade dos gestores e seus processos de gestão. Ela tem os programas de Compliance como instrumentos da governança corporativa, mantendo a boa reputação (credibilidade) com o mercado e os investidores. O compliance é uma ferramenta fundamental para a gestão de riscos e a integridade do empreendimento.
  3. O 1º FMAT deverá realizar-se nos dias 20 e 21 de maio de 2022, durante a semana da Feira Agrobrasília/COOPADF, dela fazendo parte integrante como Evento Global.

Justificativa

O Distrito Federal foi sede e líder do desenvolvimento dos Cerrados nos últimos 45 anos e pensou-se continuar sendo sediando esse primeiro Evento de grandes proporções em nível mundial, que marcasse ao mesmo tempo o registro dos avanços conquistados pelo Brasil para o desenvolvimento da Agricultura de Clima Tropical, possíveis repercussões por transferência de conhecimentos em toda a Região Tropical do Planeta, e o início efetivo de uma nova etapa – Revolução Sempre Verde – com a adoção de conhecimentos e de técnicas de Engenharia de Precisão, notadamente pela Agricultura Irrigada de Precisão.

Pretende-se que esse Evento possa representar o efeito de arranque para a inclusão na Agricultura Tropical de outros ambientes tropicais como o Nordeste brasileiro Semiárido, a Floresta Tropical Amazônica, o Pantanal e a Mata Atlântica, pelo menos.

O Brasil tropical conta também com o Sul do país na condição de clima subtropical o que o torna o “País Tropical” por excelência, líder em conhecimento e tecnologias para o desenvolvimento de tantos quantos forem os países que quiserem se engajar nessa proposta de desenvolvimento da Região Tropical do Planeta.

Considerando o fato de que estamos em presença de um movimento migratório conducente a uma nova ordem civilizatória e que o Continente Africano deverá se constituir na região com os maiores atrativos para esse processo, os números que a projetam para 2030 e 2050 são preocupantes se nada for feito e de imediato, conforme atesta a proposta do African Development Bank – AfDB, em sua mensagem “Feed Africa Inniciative”.

De outra parte, considerando as alarmantes predições sobre mudanças climáticas e o que se observa estar ocorrendo com temperaturas e chuvas ao redor do mundo, conduz a que, ao que tudo indica, seja o determinante Disponibilidade de Água (DA) o elemento chave para a utilização racional e ordenada dos solos tropicais na produção de alimentos, fibras e bioenergia para a humanidade. A proposta da Agricultura Irrigada de Precisão se constitui numa das possíveis soluções para o desenvolvimento sustentável da Região Tropical.

Tudo isso e mais faz da proposta de realização do 1º FMAT uma iniciativa que certamente será do interesse de quantos têm se debruçado sobre essas questões em inúmeras ocasiões e em várias partes do mundo.

Antecedentes relevantes

Duas referências mais próximas da proposta de criação do FÓRUM MUNDIAL DE AGRICULTURA TROPICAL foram: a primeira de ordem global tem a participação da FAO/Roma, IFAD e Comunidade Europeia, no GFAR – Global Forum on Agriculture Research and Innovation, evento aberto e de adesão voluntária para o que a FAO criou a Tropical Agriculture Platform; a segunda, em outubro de 2018, pela ESALQSHOW que realizou em dois dias o Fórum da Inovação para o Agronegócio Sustentável tendo como tema central “Futuro da Agricultura Tropical para a Sociedade”.

O desafio reside em: (i) quem conseguir organizar a vontade política; (ii) organizar algumas das ações meio essenciais como estruturantes; e (iii) quem conseguir organizar as atividades agropecuárias fim, e tenha conseguido conciliar a necessidade de oferta de alimentos de melhor qualidade a uma sociedade mundial crescente, diminuir a quantidade de terras em uso, e racionalizar o uso de água, esse terá assegurado a sustentabilidade alimentar, enquanto preserva os recursos naturais.

Parece necessitar de milagres! Mas não, o que necessita é rever padrões e princípios de produção agrícola primária e agroindustrial em três níveis: (i) Gestão do Projeto de Precisão na Fazenda (imóvel rural); (ii) Gestão por Projetos/manejo da Agricultura Pluvial (de Sequeiro) de Precisão; e (iii) Gestão por Projetos/manejo da Agricultura Irrigada de Precisão.

1º Fórum Mundial da Agricultura Tropical (FMAT)

Por que realizar o primeiro Fórum Mundial de Agricultura Tropical? Como vimos existem razões alarmistas e outras mais razoáveis sobre o desenvolvimento tecnológico e os aumentos desordenados da população humana e da capacidade de abastecê-la; existem presságios sobre mudanças climáticas que inviabilizarão ao Planeta Terra abrigar esse enorme contingente populacional; assim como existem resistências em aceitar migrações entre países e regiões.

Para pessoas criam-se muros e não pontes; para mercadorias, a globalização; e os países abandonam as comunidades. Realmente é forçoso pensarmos em mudanças. Mudanças de comportamentos e não de clima ou de hábitos alimentares de quem nem se alimenta condignamente. Mudanças em leis jurídicas? Por vezes de quem nem tem o direito de legislar!

É preciso mudar a mentalidade da sociedade e, o que é ainda mais difícil, mudar instituições. Não só as empresas privadas, mas principalmente as instituições governamentais nos três poderes e nos três âmbitos nacional, estadual e municipal.

É preciso mudar, também, segmentos ou setores da economia, como por exemplo, a legislação tratar água e recurso hídrico como sinônimo; tratar irrigação e agricultura irrigada como a mesma coisa; tratar crédito rural e financiamentos agrícolas como sinônimos. São apenas alguns exemplos que justificam a proposta de um Fórum Mundial da Agricultura Tropical.

Por outro lado, existe todo um potencial institucional que se juntado ao invés de separado poderia expressar a grandeza humana em bem tratar a Região Tropical, futuro da humanidade.

O Banco Africano de Desenvolvimento – AfDB, tem isso muito bem mapeado e que se com o Banco Interamericano de Desenvolvimento – BID, e o próprio Banco Internacional de Reconstrução e Desenvolvimento – BIRD, do Grupo Banco Mundial, associado e não separado de outros bancos continentais, bem como nacionais, como no caso do Brasil o BNDES – Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, poderiam muito contribuir para o desenvolvimento racional e ordenado de uma Região Tropical que aguarda a sua vez de participar efetivamente do desenvolvimento da humanidade.

A África, onde tudo começou, não é continente problema, mas antes solução tropical para abastecer, juntamente com países de outros continentes, de proteína animal – natural ou artificial – e de alimentos vegetais á sociedade mundial, bem como de fibras e de bioenergia.

Proposta de programação para o Evento

Com o objetivo de delimitar a abrangência do Evento, convém relembrar que a Terra possui cinco (5) regiões climáticas: Austral (Ártico); Temperada Norte; Tropical; Temperada Sul; e Antártica.

A Região Tropical, delimitada pelos Trópicos de Câncer e de Capricórnio (paralelos 23º N e 23º S), têm as seguintes subdivisões como Zonas (VIDE LOGO do Blogue acima):

  • Tropical de Altitude, chuvoso e com temperaturas amenas.
  • Semi-Árido, com precipitações médias de 400 mm/ano, e Árido/Desértico onde não chove;
  • Chuvosa ou Trópico Úmido, com precipitações entre 1.800 mm e 3.000 mm/ano;
  • Monções – zonas costeiras da África Ocidental, costa Nordeste da América do Sul e costas ocidentais da Índia e Burma;
  • Úmido-Seca – com vegetação tipo savanas e solos ácido-savânicos, com chuvas da ordem de 1.200 a 1.800 mm/ano.

Parece evidente que o interesse inicial do 1º Evento – Fórum Mundial da Agricultura Tropical – se atenha aos problemas e soluções tecnológicas para o desenvolvimento agrícola das Zonas Úmido-seca, compreendendo os Biomas denominados de Savanas, Cerrado, Ilanos e Miombo, convenientemente caracterizados, quanto a seus problemas e soluções em função do que o Brasil avançou em conhecimento e tecnologia para seu desenvolvimento racional e ordenado.

Outra questão que geralmente é levantada se refere á natureza da degradação a que esses ambientes tropicais foram submetidos ao longo do tempo, se natural ou antrópica. Na Mata Atlântica brasileira (Trópico de Altitude) pareceria que a degradação se deu e ainda se dá por efeito antrópico, pois durante centenas de anos concentrou a maior parte da população brasileira, explorando cana-de-açúcar e café, produtos que eram considerados, no Brasil, como de indústria e comércio.

No Bioma Caatinga/Agreste/Sertão nordestino (Trópico Semiárido) pareceria que a degradação resulta de ambos, a agressão climática sobre os solos e vegetação, e a antrópica extrativista da fertilidade natural dos solos e sobre pastejo animal, notadamente, por caprinos e, também, bovinos.

As Zonas Tropicais Úmidas são questionadas pelo desmatamento e o que isso causa na atmosfera global. No caso Amazônico da América do Sul, principalmente em relação ao Brasil, é tido como o pulmão do mundo. A Região Amazônica é riquíssima em Recursos Minerais, muito mais relevantes do que a biodiversidade alegada e de ser pulmão. Em termos do mineralóide água, por exemplo, em 2011 foi descoberto o Rio Hansa que tem origem no Peru e que corre quatro (4) quilômetros abaixo da superfície do Rio Amazonas e Solimões adentrando 150 km no Oceano Atlântico. A descoberta confirma lenda indígena. O que mais existe para confirmar? Sim, existe a nova descoberta do maior aquífero do mundo localizado na Região Amazônica, o Aquífero Alter do Chão ou Sistema Aquífero Grande Amazônia, capaz de abastecer todo o planeta por 250 anos, descoberto por professores pesquisadores da Universidade Federal do Pará (UFPA).

Nos Cerrados, tudo indica que o processo de degradação teria que ser revisto em dois momentos: (i) anterior a 1975, quando o Bioma era submetido ao fogo, para o rebrote das pastagens nativas, e aos drásticos regimes de chuva, erodindo e lixiviando os solos, que acabaram por se tornar extremamente ácidos, tóxicos e com baixos níveis de fertilidade, além dos processos de erosão natural devida ao pisoteio de bovinos; e (ii) o período pós 1975, até os dias de hoje, que é o que vai ser apresentado primordialmente durante o Evento.

  1. Passado

A temática – Conhecimento disponível como lições aprendidas em Agricultura Adubada Pluvial (sequeiro) em solos ácidos savânicos (Cerrados) e Clima Tropical Zona Úmido-seca, com experiências de irrigação (crop irrigation) objetivando a transferência de conhecimentos e de tecnologias.

Qual tem sido a contribuição da pesquisa para toda a experiência conquistada no Brasil em solos ácidos savânicos e possível transferência a outras regiões e países da Região Tropical.

No Brasil resolvemos a questão da Disponibilidade de Nutrientes (DN) por intermédio da Agricultura Adubada e deveríamos nos concentrar com a questão da Disponibilidade de Água (DA) usando de técnicas de precisão em Agricultura Irrigada.

O que sabemos de fato sobre Agricultura Irrigada?

  1. Futuro

A temática – Fazendas de Precisão (Precision Farming) com ênfase em Agricultura Irrigada de Precisão para o desenvolvimento continuado dos Biomas Cerrados, Llanos, Savanas e Miombo, e das Zonas Semiáridas da Região Tropical do Planeta, com foco na Inovação, Geração e Validação de Conhecimentos Científicos e Tecnológicos.

Para o futuro é o que estamos propondo para o desenvolvimento da Agricultura Irrigada com técnicas de engenharia de precisão para o desenvolvimento da Agricultura de Clima Tropical (ACT):

  • Gestão do Projeto de Precisão na Fazenda (imóvel rural como um todo);
  • Gestão por Projetos/manejo da Agricultura Pluvial Adubada (de Sequeiro), (crop management); e
  • Gestão por Projetos/manejo da Agricultura Irrigada de Precisão durante o ano todo (período chuvoso e seco).

Realização

O Evento é uma realização conjunta da ABADES e do INSTITUTO FÓRUM DO FUTURO e idealmente contando com a participação da EMBRAPA, da CNA e da COOPA/DF, ainda por decidirem.

Data e local

Estaremos recomeçando em fevereiro de 2021 com os preparativos para a realização do 1º FMAT em 20 e 21 de maio de 2022, tendo como local o Centro de Convenções Ulisses Guimarães, em Brasília/DF, coincidente com a semana da Feira Agrobrasília que se realizará de 17 a 21 de maio de 2022,

Tudo orientado para o lançamento da Revolução Sempre Verde!